Poeta do lixo

22.9.09


Não, não e não!
Maneira errada de se começar do zero.
Repudia-me o fato de começar errado
e quebrar a linha envolta nos pensamentos.

Não há, enfim
uma aura a prova de balas passando por mim,
só o acaso; E a bala perdida me atinge
e íngreme caio e íngreme desço em direção ao desconhecido
e então subo ao pico do susto e o sopro me atinge.
Morri? Não, mas padeci estranha entre o não-visto e o o mais remoto embaraço.

E então me fiz poeta do lixo,
me vi recolhendo fragmentos escritos
e outros de mim.
Foi susto, perturbador:
me descubro nascendo pra isso,
morrendo pro mundo,
vivendo então.

QUE TAL MAIS UM?

2 Comentários

  1. Sou magro, sei disso:sou o Poeta do Lixo.
    Sou "Lokaloose" pra valer, mais nem eu sei o quer disser.
    recolho o lixo por prazer, não vim aqui me conhecer, vim aqui pra te dizer, que ser, ou não ser o poeta do lixo de nada vem a valer,se não existir prazer.
    Se na escrita não doer.
    se não fizer sua vida valer...
    Sou magro sei disso, pareço um bicho-grilo,sou o Poetas do Lixo,não vim aqui pra explicar vim aqui pra apreender,careta de tanta querer..
    Não se assuste, Oh!um plágio, quero um ágio,não e não..
    Quero que saiba que sou o Poeta do Lixo,e que nunca trai minha tribo de traidores..Já pilotei muitos tratores..

    ResponderExcluir